12.12.2015

“Today I begin to understand what love must be, if it exists. When we are parted, we each feel the lack of the other half of ourselves. We are incomplete like a book in two volumes of which the first has been lost. That is what I imagine love to be: incompleteness in absence."

Sinto que cheguei ao fundo. não me consigo levantar. não tenho forças. esta dor no peito não me larga e eu só queria paz porque para dor já me basta o psicológico. será assim tão difícil seguir em frente? deixar as velhas amizades para trás, deixar as desilusões familiares, as traições por algo melhor? ou pelo menos por mim? eu tento dia após dia tentar dar um significado à minha vida, um objetivo nem que seja lavar a loiça mas as forças esgotaram-se nos oceanos de lágrimas, nos gritos de desespero e na luta que tem sido estes últimos tempos. quem diria há um mês que iria estar nesta posição. deixei de acreditar no amor. não porque sofri de um desgosto mas porque me desiludi com outro. um que sempre achei tão real e verdadeiro. já não faz sentido. estou cansada de tentar. só me queria esconder. como era bom me esconder.

9.02.2015

viva. viva ao tempo que passou. viva à pessoa que fui. viva à pessoa que sou hoje. viva às coisas que ainda tenho em comum com a pessoa que há dois anos era. não sei se perdi muito enquanto tive fora. com certeza que irei continuar a perder se perdi porque esta será uma vez sem exemplo. não é que não queira aqui estar diariamente ou semanalmente mas simplesmente o tempo passa e já não me sinto psicologicamente aceite para tal. seja "psicologicamente aceite" o que for. a verdade é que sinto que a vida tem passado e eu não me tenho esquecido de a viver. não me tenho esquecido de a lamentar como fazia antes mas já não lamento por escrito. talvez esta seja a única diferença. a verdade é que neste momento estou a gostar muito de estar a escrever. será uma reviravolta? tenho as minhas dúvidas. tenho lido mais livros que não gosto do que gosto. não sei se é normal. não tenho lido muito e sempre que leio é uma desilusão. tipo aquele livro prometo falhar que foi ou tem sido tão falado. não gosto. não tenho gostado. mas também não cheguei a metade. e por este andar não chegarei. há dias em que penso que estou bem comigo e com o meu corpo. há dias que me apetece beber água e nunca mais comer. há dias. mas hoje é um dos dias em que estou bem. quero dizer que estou bem. que continue assim.