1.26.2012


E foi nos seus braços que ela se perdeu,
inexplicavelmente sofreu..
E após o arrependimento,
ela cresceu.
Na sua cabeça habitava a confusão,
precisava de abstracção..
Raramente recorria à conversação
preferia a solidão como opção.
Silenciosamente chorava,
sozinha cantava,
onde os momentos renasciam,
onde os pensamentos obstruíam.

8 comments:

Rita said...

Gostei

Francisca. said...

sigo*

TDelMona said...

oh, gostei , gostei mesmo *

paulaguimarães. said...

oh, não querida, é apenas o meu melhor amigo (:

catarina said...

Custa quando não se pode fazer nada para que uma pessoa não vá embora ...
obrigada querida pela força :s

catarina said...

espero bem que sim querida, era uma pessoa fantástica !
obrigada pelo apoio <3

catarina said...

és uma querida ! muito obrigada do fundo do coração !

catarina said...

e eu digo o mesmo, prometo que vou estar atenta ao teu blog !
muito obrigada amor <3